Pendrives Diferentes Seu Trabalho Seguro Décio Segurança Top Segurança Segtrabase Tst Sérgio Profissionais em Seg Trabalho Zona de Risco

Assédio sexual: um crime no trabalho


O ser humano é considerado um ser social e isso faz com que ele procure a companhia dos seus semelhantes para formar grupos que possam atender suas necessidades básicas, inclusive a própria sobrevivência. Mas, a realidade revela que as relações entre as pessoas podem ser prejudicadas por determinados fatos. Isso não inclui apenas conflitos decorrentes de personalidades diferentes, de cultura ou mesmo for falta de simpatia.
Há determinados fatos que podem ocorrer no ambiente de trabalho que geram em advertências, demissões e até mesmo culminam na Justiça do Trabalho: o chamado assédio sexual. Esse tema polêmico tem sido foco de muitas discussões tanto no meio jurídico quanto corporativo, principalmente após a promulgação da Lei n.º 10.224 de 2001, que acrescentou o art. 216-A ao Código Penal Brasileiro, considerando esse comportamento crime, imputando ao assediador a pena de um a dois anos de detenção.
“O assunto ainda é muito polêmico nas empresas e nem sequer possui normas específicas para o seu tratamento adequado”, destaca Aneliza Ulian Zuccarato, advogada trabalhista do escritório Maluf e Moreno Advogados Associados. Ela explica que o Brasil adota a Convenção 111 da Organização Internacional do Trabalho (OIT), que busca o efetivo combate a qualquer tipo de discriminação nas relações de emprego ou na profissão, de forma que não seja aceita exclusão ou preferência de raça, cor, sexo, religião, opinião política, ascendência nacional ou origem social.
-Segundo a definição contida no próprio artigo do Código Penal Brasileiro podemos definir o assédio como o ato de constranger alguém, com o intuito de obter vantagem sexual, fazendo prevalecer a condição de superior hierárquico ou ascendência no exercício de cargo, emprego ou função.
-Sempre foi uma preocupação de a Justiça brasileira combater este tipo de ocorrência dentro e fora o ambiente de trabalho, motivo pelo qual o legislador brasileiro resolveu, em 2001, tipificar como crime a conduta do agente que tem a intenção de obter favorecimento sexual, com pena de detenção de um a dois anos, além de todas as previsões no âmbito do direito do trabalho.
-Há diversas formas de se penalizar o assediador. A mais comum é a advertência, posterior à análise da conduta, pelo Departamento de Recursos Humanos ou mesmo de uma ouvidoria.
-Normalmente, depois de esgotados os recursos, a empresa dispensa esse empregado por justa causa. Porém, há outros códigos de conduta mais rígidos, que imediatamente após a comunicação da prática de assédio sexual, dispensam por justa causa o empregado.
-A empresa é sempre penalizada, mais do que o assediador, já que a primeira atitude a ser tomada pela vítima é o pedido de indenização por danos morais. Há também os pedidos de rescisão indireta do contrato de trabalho – situação em que o empregado pede judicialmente sua demissão, tendo direito a todas as verbas rescisórias, como se tivesse sido dispensado sem justa causa. Neste caso, se a empresa for condenada a indenizar a vítima, a organização pode ingressar com uma ação de regresso contra o assediador, para reaver os valores pagos.
-Como muita das vezes o assédio sexual acontece em local reservado, sem a presença de outros colegas ou parceiros de trabalho, qualquer prova concreta como e-mails, fotos, correspondência interna, bilhetes, roupas usadas, rasgadas, vídeos ou mesmo testemunhas que tenham presenciado o assédio são provas fortes e irrefutáveis para se provar robustamente o ato de assédio sexual.
-Neste caso, se não ficar comprovado que o assédio realmente ocorreu, a reclamação trabalhista será julgada improcedente, o pedido de indenização por danos morais ficará prejudicado, e cada caso, dependendo das circunstâncias, dos fatos e das provas, terá uma conclusão diferente.
-Os principais tipos de assédio que chegam à Justiça são aqueles cometidos por superiores hierárquicos e entre colegas de trabalho do mesmo nível. Mas ainda não temos como pormenorizar qual o ato e a prática tem maior incidência e ocorrência na Justiça do Trabalho.
-Atualmente, não se tem este perfil traçado, pois o assédio sexual pode ocorrer entre homens e mulheres, vice-versa e entre pessoas do mesmo sexo. Depende muito de cada caso, não podemos ainda traçar um perfil de idade, sexo, estado civil, entre outras características.
-Na reclamação trabalhista envolvendo pedido de indenização em decorrência de assédio sexual, as partes deverão requisitar que o processo tramite em segredo de Justiça, sendo que somente os advogados terão acesso ao processo, pois há provas, depoimentos e documentos sigilosos, muitas vezes constrangedores, principalmente para o assediado.
-As empresas que têm códigos consigam minimizar a ocorrência do assédio, porém nunca conseguirão que nenhum fato ocorra; mesmo porque devemos lembrar que muitas vezes a própria vítima não leva ao conhecimento da empresa que sofreu um assédio. Se as empresas instituírem código de ética e criarem uma ouvidoria ou outro qualquer veículo em que os empregados possam - sem qualquer constrangimento - relatar a ocorrência de um assédio, com a garantia de que medidas justas e eficazes serão tomadas para coibir e reprimir a sua ocorrência. Aí sim podemos dizer que, para aquela realidade de trabalho, dentro de determinadas empresas, eles diminuiriam, ou mesmo não ocorreriam mais.
-Uma das melhores iniciativas das empresas - além da criação de uma ouvidoria, órgãos julgadores e elaboração de códigos de ética - é a conscientização de seus empregados, através da realização de palestras, veiculação de circulares e portarias, informando as penalidades, os direitos e os deveres de cada empregado e, principalmente, ser atuante e fiscalizadora na rotina diária dos empregados.
-Diante de uma suspeita de assédio sexual no meio organizacional, a área de Recursos Humanos deve ouvir ambos os envolvido - assediado e assediador; relata a ocorrência a um psicólogo, ao superior destes funcionários e ao departamento jurídico. A decisão de afastamento, transferência de área, setor ou mesmo cidade, quando existe uma filial, e dispensa por justa causa, deve ser tomada em conjunto - jurídico - representante da empresa – Recursos Humanos, dependendo da gravidade do fato e também da vítima e das necessidades da empresa.
FONTE: RH.com.br

Vestibular Fatec, Facinter, IBPEX


Para você que vai fazer vestibular na Fatec, Facinter, IBPEX, seja presencial ou a distancia, antes de fazer sua inscrição para o vestibular fala conosco e podemos te ajudar com um desconto de 100 reais na matricula.
Não esqueça de pedir informações.
Contamos com seu contato
tecnolsegdotrabalho@hotmail.com
jairclossko@hotmail

Estresse


O estresse constante pode aumentar o colesterol, prejudicar o sistema imunológico e provocar dor de estômago.Como podemos evitar tudo isso? Infelizmente, não é tão simples assim...
O noticiário da televisão faz uma cobertura com duração de uma hora sobre desastres naturais e causados pelo homem, violência, guerras, etc. Assistir a apenas dez minutos deles pode fazer o nível de estresse subir!
Resumindo: você tem uma apresentação grande em uma hora e mal teve chance de se preparar para isso. E-mails urgentes vivem aparecendo na tela do seu computador, cada um enviando um monte de ansiedade no seu peito. Os minutos vão passando e você continua na sua busca incessante por slides e apostilas. Enquanto isso, o coração acelera e a cabeça lateja.

A vida moderna está cheia de pressões, medos e frustração. Em outras palavras, é estressante! Correr contra os prazos, ficar sentado no trânsito, discutir com o marido, esposa ou filhos – tudo isso faz seu corpo reagir como se você estivesse enfrentando uma ameaça física. Essa reação deu ao ser humano a energia de combater os agressores ou fugir dos predadores - ela ajudou a espécie a sobreviver. Hoje em dia, em vez de protegê-lo, ela pode torná-lo mais vulnerável aos problemas de saúde relacionados às ameaças da vida, se ativada constantemente. Mas, felizmente, é possível desenvolver habilidades para evitar algumas situações estressantes e limitar os efeitos de outras. O resultado inclui menos fadiga, mais paz de espírito e – talvez – uma vida mais longa e mais saudável.
A RESPOSTA DO ESTRESSE
Geralmente conhecido como uma reação de "brigar ou brigar", a resposta do estresse ocorre automaticamente quando você se sente ameaçado. Sua glândula pituitária, localizada na base do cérebro, responde a uma ameaça percebida, liberando gradativamente o hormônio adrenocorticotrópico, que dá sinais a outras glândulas para produzir hormônios extras. Quando isso ocorre é como se um sistema de alarme estivesse desligando seu cérebro. Este alarme "fala" às glândulas adrenais, situadas acima dos rins, para liberar uma enxurrada de hormônios do estresse na corrente sangüínea. Estes hormônios – incluindo o cortisol e a adrenalina – focam na concentração e na velocidade do tempo de reação e aumentam a força e a agilidade.

COMO O ESTRESSE AFETA O ORGANISMO?
Depois de brigar, evitar ou até fugir da situação de estresse, os níveis de cortisol e adrenalina na corrente sangüínea declinam. Com isso, a freqüência cardíaca e a pressão sangüínea voltam ao normal e a digestão e o metabolismo voltam ao compasso regular. Mas se as situações estressantes aparecem uma atrás da outra, o corpo não tem chance de se recuperar, e essa ativação em longo prazo do sistema de resposta ao estresse pode romper quase todos os processos do corpo, aumentando o risco de obesidade, dores, mal-estar, insônia, incômodos digestivos, doenças cardíacas e depressão.
Também é comum sentir dores no estômago ou ter diarréia quando se está estressado. Isso ocorre porque os hormônios do estresse reduzem a liberação de ácido gástrico e o esvaziamento do estômago. Os mesmos hormônios também estimulam o cólon, que acelera a passagem do seu conteúdo.
O estresse crônico também pode levar os níveis continuamente altos de cortisol. Esse hormônio pode aumentar o apetite e causar ganho de peso. Ele também tende a enfraquecer o sistema imunológico, deixando você mais suscetível a resfriados, doenças e infecções. Geralmente, o sistema imunológico responde à infecção ao liberar várias substâncias que causam inflamação. Como resposta, as glândulas adrenais produzem cortisol, que desliga as respostas imunológicas e inflamatórias assim que acabar a infecção. Porém, o estresse prolongado mantém os níveis de cortisol continuamente elevados, fazendo com que o sistema imunológico se deprima. Em alguns casos, o estresse pode ter um efeito contrário, deixando o sistema imunológico superativo. O resultado é um aumento de risco de doenças auto-imunes, em que o sistema imunológico ataca as células do próprio corpo. O estresse pode piorar os sintomas das doenças auto-imunes. Por exemplo, ele é um dos ativadores dos ataques esporádicos de sintomas de Lúpus...
Agora se a sua resposta de "brigar ou brigar" nunca acaba os hormônios do estresse produzem sensações persistentes de ansiedade, impotência e destruição iminente. A supersensibilidade ao estresse tem sido relacionada à depressão grave, possivelmente porque pessoas depressivas têm um tempo mais difícil de se adaptar aos efeitos negativos do cortisol. Os derivados do cortisol atuam como sedativos, o que contribui para aumentar a sensação de depressão. Quantidades excessivas de cortisol podem causar distúrbios de sono e perda de energia sexual e apetite.
Os altos níveis de cortisol podem também aumentar a freqüência cardíaca e a pressão sangüínea, assim como os níveis de lipídios no sangue (colesterol e triglicérides). Esses são fatores de risco para ataques cardíacos e derrames! Os níveis de cortisol também parecem ter um papel no acúmulo de gordura abdominal, que deixa as pessoas com formato de "maçã", que são aquelas que apresentam um risco mais elevado de desenvolver doenças cardíacas ou diabetes. O estresse ainda piora muitas condições da pele, causando problemas como psoríase, eczema, herpes, urticária e acne, e pode desencadear ataques de asma.

REAÇÕES INDIVIDUAIS AO ESTRESSE
Sua reação a um estressor específico é diferente à de qualquer outra pessoa. Algumas pessoas são naturalmente relaxadas em relação à quase tudo, enquanto outras têm uma reação forte ao mais leve sinal de estresse – e a maioria se encaixa em algum lugar entre estes dois extremos. As variações genéticas podem explicar parcialmente as diferenças.
Os genes que controlam a resposta ao estresse mantêm a maioria das pessoas em equilíbrio, colocando o corpo apenas ocasionalmente para "brigar ou brigar". As respostas super-ativas ou sub-ativas ao estresse podem se originar de diferenças sutis nesses genes. As experiências de vida também podem aumentar sua sensibilidade ao estresse. As reações fortes ao estresse podem estar relacionadas a fatores ambientais remotos. Pessoas que foram expostas a situações de estresse extremo quando eram crianças tendem a ser mais vulneráveis ao estresse quando adultos.
Ocorreu um erro neste gadget

Seguidores